Estudos mostram que mulheres dirigem melhor do que homens

Elas não são somente muito aptas para dirigirem, como também são mais habilidosas que os homens.

06/03/2020

É muito comum ainda ouvir que as mulheres não são boas no trânsito. Muitas pessoas se baseiam na ideia de que os homens são melhores condutores e, por isso, costumam dizer que “mulher e trânsito não combinam” ou que “mulher é barbeira na direção”. No entanto, vários estudos apontam que elas não são apenas muito aptas para dirigirem, como também são mais habilidosas que os homens.

Por isso, neste artigo, trouxemos alguns estudos que mostram que as mulheres dirigem melhor que os homens. Ficou com curiosidade em saber mais? Então continue lendo o texto:

Por que a mulher é vista como “perigo” no trânsito?

Não é de hoje que as mulheres são vistas como péssimas motoristas: na verdade, essa visão sempre aconteceu dentro da nossa sociedade. Isso porque a tarefa de dirigir um carro, há muitos anos, foi associada à figura do homem. Era ele que fazia o trabalho braçal e “mais difícil”, enquanto a mulher cuidava da casa e dos filhos. Mas mesmo a mulher conquistando o seu lugar no mundo, ganhando espaço no mercado de trabalho e mostrando que sim, que ela é habilidosa tanto quanto o homem, sempre foi vítima de preconceito.

Conheça os dados mais relevantes

Segundo a Polícia Rodoviária Federal no estado de São Paulo, as mulheres se envolvem muito menos em acidentes graves no trânsito. Nessa pesquisa, foi constatado que as mulheres compõem cerca de 6,4% dos acidentes - muito contrastante com a porcentagem de homens, que chega em 93,1%.

A Seguradora Líder, administradora do DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), divulgou em seu relatório anual de 2019 que apenas 25% das indenizações pagas pelo Seguro DPVAT foram para mulheres, enquanto 75% foram para homens. Além disso, quanto a pagamentos de indenizações por acidentes fatais, a diferença é ainda maior: 82% das vítimas são do sexo masculino, enquanto 18% são do sexo feminino.

Uma empresa de seguros do Reino Unido, chamada Privilege Insurance, fez um estudo com 250 pessoas, onde 50 eram motoristas que estavam dentro do carro e as outras 200 eram pessoas que estavam do lado de fora do Hyde Park Corner, um dos cruzamentos mais congestionados de Londres.

Nesse teste, as pessoas precisavam responder um questionário que envolvia questões diárias de trânsito, como o uso correto de retrovisores, a relação de respeito com os sinais de trânsito, controle de velocidade, etc. A pontuação máxima do teste era de 30 pontos, e quem mais chegou perto foram as mulheres. Elas obtiveram 23,6 pontos, enquanto os homens atingiram 19,8.

Opinião dos especialistas

De acordo com Silvia Lisboa, coordenadora do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, “os homens são estimulados a ser mais agressivos e competitivos, enquanto as mulheres têm um senso mais empático e cuidadoso”. A revista Auto Esporte concorda com esse posicionamento, afirmando que “o perfil masculino hoje é de maior agressividade e disputa, inclusive ao conduzir um carro”. Por conta disso, os acidentes com homens são mais frequentes do que com mulheres.

Como posso dirigir melhor?

Toda pessoa precisa ter cautela extrema ao dirigir um carro. Pequenos erros podem ser fatais, então podemos utilizar aqui a frase clichê de que “todo cuidado é pouco”. Por isso, atente-se às questões fundamentais do trânsito: respeite o limite de velocidade; dê preferência aos pedestres; nunca deixe de usar o cinto de segurança; não use o celular enquanto estiver dirigindo; sinalize suas ações; mantenha os documentos em dia; mantenha atenção às placas e seja gentil. Fazendo tudo isso, você pode evitar acidentes e situações estressantes no trânsito.

Esse foi o nosso artigo evidenciando alguns estudos que mostram que mulheres dirigem melhor do que homens. Independentemente disso, sendo homem ou mulher, é muito importante a cautela e gentileza de todas as pessoas em meio ao trânsito. Se você gostou deste artigo, clique aqui para mais matérias como esta.

Comentários

Últimas notícias