10 itens que podem ser revisados pelo motorista

Além de diminuir os gastos com reparos emergenciais, a manutenção preventiva do carro garante inúmeros outros benefícios como a segurança no trânsito, a economia no consumo de combustível e a valorização do preço da revenda.

12/12/2016

 

De acordo com uma pesquisa do Gipa, órgão internacional especializado em pós-venda, mais da metade dos automóveis com mais de sete anos de uso circula sem manutenção pelo Brasil.

A realização dessa manutenção pode salvar cerca de 12 mil vidas ao ano, uma média de 33 pessoas ao dia, como aponta o GMA, Grupo de Manutenção Automotiva, que reúne as entidades representantes do setor de reposição automotiva de São Paulo.

Mas, ao contrário do que a maioria dos motoristas pensa, não é preciso levar o carro até o mecânico para fazer vistorias. Alguns itens podem ser verificados em casa, como você poderá conferir no texto abaixo.

1. Pneus

Os pneus devem ser revisados constantemente. É preciso verificar, de perto, possíveis marcas de desgaste, a profundidade do relevo e o desgaste irregular do conjunto, quando um dos pneus está mais gasto que os outros. Este último indica que é hora de fazer um alinhamento e balanceamento do automóvel.

O nível de desgaste pode ser verificado através do TWI, que são pequenas elevações de borracha presentes nos sulcos do pneu, sinalizadas com a sigla “TWI” ou com o desenho de um triângulo. Quando uma das partes mais próximas dessa marca alcançar o nível do TWI, é porque o pneu deve ser substituído.

2. Estepe

O espete é fundamental em situações de emergência, por este motivo, deve sempre ser verificado. Assim como os pneus em uso, ele deve ser mantido em bom estado e, mesmo sem uso, deve ser calibrado periodicamente, para que esteja pronto quando for necessário.

O ideal é calibrá-lo junto com os demais, semanalmente. A rotina vai garantir a integridade do pneu que, se ficar com pouca pressão por muito tempo, pode ressecar e não resistir ao uso quando for solicitado.

3. Água

Verificar a água do radiador é fundamental para não superaquecer o carro. Para fazer isso, basta abrir o capô do veículo com o motor frio e observar as linhas que determinam o nível mínimo e o nível máximo. O ideal é que a água enteja no meio dessas duas linhas.

Se estiver abaixo, basta completar com mais água. É importante ressaltar que, se o motor do veículo estiver quente, o volume da água estará um pouco maior do que o valor comum, portanto a medição não será tão precisa.

4. Freio de mão

O freio de mão é extremamente importante para garantir que o carro continue parado enquanto está estacionado, especialmente quando este não se encontra em um terreno plano. Durante o seu uso, ele vai perdendo a eficiência. Por este motivo, deve ser revisado a cada 15 mil quilômetros, no máximo.

Para garantir que o freio de mão do seu carro está funcionando corretamente, puxe-o e verifique a quantidade de cliques que ele irá fazer. Na pior das condições, como em uma ladeira, por exemplo, o ideal é ouvir de 3 a 6 estalos. Se ouvir mais do que isso, o freio está desregulado.

Além disso, se o freio de mão só deixa o carro parado quando é puxado até em cima, quase apontando para o teto, ou se não está parando completamente o veículo, é sinal de que está desregulado. Em qualquer destas situações, leve o carro até um mecânico e peça a revisão dos componentes.

5. Volante

Com os cuidados adequados, a direção do veículo dificilmente apresentará algum defeito. No entanto, alguns sinais podem indicar que é hora de levar o carro à oficina.

Se você ouve ruídos estranhos na hora de virar o volante, se o volante fica “duro” e as manobras mais difíceis, se sente que a direção está com muita folga, que há trepidações ou que o carro está puxando para um dos lados, é sinal de que será preciso fazer alguns ajustes nos componentes.

6. Óleo

Quando está abaixo do nível indicado, o óleo prejudica a lubrificação e a limpeza do motor. Quando está acima, aumenta a pressão no reservatório, podendo provocar vazamentos, sujeira nas velas ou estragos no catalisador do sistema de descarga. 

A medição do óleo só deve ser feita em local plano, 10 minutos após o veículo ser desligado, no mínimo. O recomendado, ainda, é verificar o nível do óleo antes de fazer o carro funcionar pela primeira vez no dia.

Para verificar, basta encontrar a vareta, seca-la com um pano e inseri-la novamente no compartimento. Após a sua retirada, é preciso verificar onde o óleo está em comparação com a marcação mínima e a máxima. O correto é que o nível esteja no meio dos dois riscos. Se estiver abaixo, é preciso completar com o óleo indicado pela montadora. 

7. Extintor

Em casos de acidentes mais graves, é o extintor de incêndio que salvará a vida dos passageiros do veículo. Por este motivo, é preciso verificar periodicamente se ele encontra-se no local ideal e se o prazo de validade ainda está em dia. Conferir a data de validade pode parecer complicado à primeira vista, mas com um pouco de atenção você verá que é bem simples.

A parte das letras significa os meses do ano que, logicamente, vão de Janeiro a Dezembro. Ao lado desta parte, terá sempre 4 espaços para 4 anos. Na imagem abaixo, as marcações indicam que a recarga do extintor de incêndio foi feita em novembro de 2012.

Em Santa Catarina os extintores tem validade de 5 anos. Mas, na maioria dos outros estados a recarga é anual. Para saber o prazo de vencimento no seu estado, consulte o Corpo de Bombeiros Militar.

É importante ressaltar que circular com o extintor descarregado ou fora do prazo de validade é uma infração grave, com multa de R$ 127,69 e cinco pontos na carteira de motorista. 

8. Luzes

Os faróis, as luzes de freio, as indicadoras de direção e as luzes de marcha ré devem ser sempre testados. Para fazer isso, você deve estacionar o carro, ligar os faróis e verificar as luzes rebatidas na parede. Se alguma lâmpada estiver queimada, um lado estará mais escuro que o outro.

Para verificar a luz de ré, apague as luzes do carro, engrene a ré e verifique a luminosidade, depois verifique as luzes pelos retrovisores. Para testar as luzes de posição, apague e depois acenda a lanterna, repetindo o procedimento de observação, pelos retrovisores externos. Para testar as luzes de direção basta apagar todas as luzes do carro e acionar as luzes de direção verificando também com os retrovisores externos.

Você também pode pedir ajuda a alguém para verificar as luzes enquanto acende cada uma delas.

9. Itens de emergência

Em qualquer situação problemática, o macaco, o triângulo de sinalização e a chave de roda podem preservar vidas e evitar possíveis acidentes. Nunca é possível prever quais os imprevistos uma viagem de carro pode apresentar, por este motivo, leve com você alguns itens extras, como alicate, chaves de fenda, chaves Philips, fita isolante, cabo de bateria, lanterna, flanela, kit de primeiros socorros e o manual do veículo.

10. Palhetas

Expostas a ação do tempo, as palhetas tendem a ressecar com o passar dos dias. Por este motivo, as borrachas devem ser trocadas, pelo menos, uma vez por ano.

Para conferir o estado das palhetas, verifique se elas não estão ressecadas nem cortadas. Além disso, é preciso fazer pequenas verificações mecânicas no motor e no braço do limpador.

Quanto ao reservatório dos lavadores, é importante ressaltar que não devem ser adicionados produtos indevidos para a limpeza dos vidros. Existem detergentes específicos para esta função que, além de realizarem a limpeza com eficiência, ainda irão conservar as palhetas.

 

Munido dessas dicas, tire um tempinho para revisar todos esses itens do seu veículo e preze pela sua segurança na estrada.

Caso tenha ficado com alguma dúvida, deixe seu comentário.
Até a próxima!

Comentários

Notícias relacionadas

Últimas notícias