Aceso dia e noite - As vantagens e desvantagens da nova lei do farol

Lei do farol aceso, entenda as vantagens e desvantagens desta nova lei e como ela pode te ajudar a prevenir acidentes em rodovias.

23/01/2017

Somente no primeiro mês de aplicação, entre os dias 8 e julho e 8 de agosto, a Polícia Rodoviária Federal registrou 124.180 infrações nas rodovias federais por conta do descumprimento da nova lei do farol.

Específica para rodovias, a Lei nº 13.290, de 23 de maio de 2016 determina que o condutor deve manter acesos os faróis do veículo, utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminação pública e nas rodovias.

O farol baixo já era obrigatório para as motos, durante o dia e a noite, e para os veículos somente durante a noite e dentro de túneis. Agora, todos os veículos devem mantê-lo acesso nas rodovias. No entanto, é preciso ficar atento aos trechos que cruzam cidades.

Se for trafegar por um trecho que foi municipalizado e passou a ser uma rua ou avenida, não é preciso acender os faróis. Mas alguns trechos atravessam as cidades e ainda assim mantêm o status de rodovia. Nesses trechos a lei é válida e os faróis têm que estar acesos.

As DRLs também são aceitas?

O farol tem o objetivo de iluminar, já as DRLs foram desenvolvidas com o objetivo de tornar o veículo mais visível. Portanto, não faria sentido não incluir este dispositivo na lei. De acordo com o Detran, esses faróis de rodagem diurna atendem sim a lei, conforme Resolução 227/2007 do CONTRAN.

E as luzes de posição?

De acordo com a legislação, não são consideradas suficientes as luzes de posição, mesmo quando acompanhadas dos faróis de neblina ou de milha. Se encontrado nessas condições, o condutor certamente será multado.

São válidos apenas os faróis baixos ou as luzes diurnas (DRL), presentes em grande parte dos veículos novos nos segmentos acima dos populares. A norma estabelece, porém, que os dispositivos diurnos sejam compostos por leds, ou seja, ficam de fora modelos como Fiat 500, C4 Lounge e Renault Duster, com DRLs alógenas.

Como é feita a fiscalização?

Nas vias que possuem monitoramento por câmeras, a fiscalização é feita pelo registro das imagens. Nas demais vias, o registro é feito pelo próprio agente de trânsito, como ocorre com os radares.

Qual o valor da multa?

Trafegar com os faróis desligados nas rodovias durante o dia é considerado uma infração média, que acarreta a perda de quatro pontos na CNH do condutor do veículo, além de multa prevista de R$ 130,16, de acordo com os reajustes feitos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em novembro de 2016.

Vantagens da Lei do farol

No Brasil, a maior causa de morte no trânsito são as colisões frontais. Embora sejam apenas 4,1% das ocorrências, causam 33,7% dos óbitos. Essas colisões acontecem, principalmente, em tentativas malsucedidas de ultrapassagem. Já com a luz acesa, o veículo pode ser visto antes, prevenindo quem vem na direção oposta e evitando acidentes.

Mesmo de dia, a luz acessa faz diferença. Isso porque, ao acender os faróis, a visibilidade do veículo aumenta em 60%. As cores também fazem diferença. Veículos cinza, pretos ou azul-escuro não contrastam com o asfalto e são mais difíceis de se ver. Os pratas ficam quase invisíveis na chuva ou neblina. Para carros e caminhões com essas cores, o farol faz ainda mais diferença.

Vamos lembrar também que os olhos humanos foram feitos para “funcionar” a até mais ou menos 15km/h. Essa é a velocidade máxima que o corpo humano atinge. Mais do que isso, nosso campo de visão diminui e a qualidade do nosso julgamento também

Além disso, estar sempre com as luzes acesas evita o esquecimento em túneis, neblina ou chuva. Também no fim da tarde, quando muita gente demora para acender os faróis, o perigo aumenta. Mesmo com o sol forte, muitas vias possuem trechos de sombra, que com o efeito da mudança de iluminação nos olhos do condutor, fazem com que o outro veículo fique quase invisível. Acender os faróis melhora a visibilidade e consequentemente a segurança em todas essas situações.

Não é à toa que muitos países já adotaram a medida. A NHTSA, associação norte-americana de segurança rodoviária, afirmou que uma medida semelhante foi responsável pela redução de 5% nas colisões entre carros e de 12% no atropelamento de pedestres e ciclistas (2ª maior causa de mortes no trânsito brasileiro). Na Suécia as colisões caíram 11% e na Dinamarca e Hungria, 8%. No Canadá, os acidentes foram reduzidos em 11%.

> Os 10 carros mais seguros para as viagens de final de ano

Desvantagens da Lei do farol

Mas nem tudo são flores no universo dos faróis acessos. As lâmpadas têm seu prazo de validade estimado em horas e como elas ficarão muito mais horas acesas, o seu ciclo de vida ficará bem menor.

Esse problema é ainda mais grave para os caminhoneiros. Um caminhão tem muitas lâmpadas e, por isso, quando uma delas queima, o motorista pode correr o risco de não perceber. Rodar com a lâmpada queimada também é infração de trânsito e rende 4 pontos na carteira. Com isso, o condutor terá o dobro de chances de levar uma multa, seja pelo fato de os faróis estarem apagados ou porque uma das lâmpadas queimou.

Par reverter isso, uma dica é usar as lâmpadas extra-life ou super duráveis, que chegam a durar até 1.800h, enquanto que as lâmpadas comuns duram entre 500 e 800 horas, apenas.

Além do custo maior com as lâmpadas, alguns países que já adotaram a medida registraram algumas dificuldades com a aplicação da Lei do Farol. Uma delas é em relação ao uso da luz diurna, a DRL.

Alguns motoristas que usam o dispositivo esquecem de ligar os faróis quando cai a noite, ou pensam que a DRL vale como iluminação. Rodando no escuro, por esquecimento ou desconhecimento, esses motoristas acabam colocando a segurança de todos em risco, além de estarem propensos a levar uma multa.

Outro problema é que antes o farol só era ligado pelos motociclistas. Isso os diferenciava no trânsito, aumentando a visão em possíveis pontos cegos. Agora, como o farol dos carros também estará acesso, será necessário dobrar o cuidado para não causar acidentes no trânsito rápido.

No final das contas, os pontos positivos se sobressaem aos pontos negativos da nova Lei do Farol, não é mesmo? Afinal, se for para garantir a segurança dos motoristas, com bom senso, toda medida é válida.

Caso tenha ficado com alguma dúvida, ou queira fazer uma sugestão, entre em contato conosco.

Até a próxima!

Comentários

Últimas notícias